Educação

——————————————————————————————————-
Quase 50% dos universitários graduados na China estão desempregados
——————————————————————————————————- 
DA EFE
Quase 50% dos universitários recentemente graduados na China, que anualmente somam cerca de sete milhões, não encontram emprego, segundo um relatório do Ministério de Recursos Humanos e Seguridade Social do país, citado nesta segunda-feira pelos meios de comunicação chineses.
De acordo com o documento “Reforma e Desenvolvimento da Seguridade Social da China”, se estima que mais de três milhões de estudantes, prestes a se graduarem, terão dificuldades na hora de procurar emprego, disse o porta-voz da instituição, Wang Yujun.
Existem pelo menos três razões para explicar as dificuldades dos estudantes chineses para encontrar emprego, segundo declarou à agência de notícias Efe o diretor do Departamento de Investimentos Internacionais da Academia de Ciências Sociais da China (CASS), Zhang Ming.
O arrefecimento do crescimento econômico da China (que começou em 2012 ao crescer apenas 7,8%, e que na próxima década oscilará ao redor de 7%), contribui para o empenho dos graduados de ficar nas grandes cidades, onde se registram as altas taxas de desemprego, por receber melhores benefícios sociais (nas pequenas e médias cidades o problema do desemprego não é sério).
O sistema educacional das universidades chinesas oferece um longo número de graduados em uma economia onde só há demanda por operários ou técnicos e não para universitários.
O diretor do departamento de Finanças da Escola de Economia e Gerência de Tsinghua, Li Daokui, concordou com Zhang que a taxa de desemprego entre os universitários chineses aumentou por causa do arrefecimento do crescimento econômico da China e porque a economia do país ainda “não é capaz de criar empregos de alta categoria”.
Por outro lado, o relatório ministerial também ressalta que atrasar a idade de aposentadoria – como pedem muitas vozes na China para que se adie dos 60 para os 65 anos – na situação atual, “não é uma opção viável”.
Atualmente, o mercado de trabalho chinês é “incapaz” de satisfazer as demandas de quem busca emprego com 30% das ofertas de trabalho provenientes dos aposentados, considerou por sua vez o professor Deng Dasong da Universidade de Wuhan, citado pela agência de notícias oficial Xinhua.
A taxa de desemprego urbano na China se manteve em 4,1% da população ativa no ano passado, a mesma porcentagem que em 2011, segundo números oficiais.
——————————————————————————
La otra cara de la formación profesional dual alemana
——————————————————————————
Carmela Negrete  – Berlín – 03/07/2013 – 19:45h
El conocido como “modelo alemán” se vende en España como la solución al desempleo juvenil, pero su éxito tiene muchas aristas
Uno de cada diez alumnos hace tareas sin relación con lo que estudian
El 40% hace horas extra y tienen uno o varios empleos adicionales
  
Marten (25) hizo una formación profesional dual y desde entonces solo ha encontrado trabajos temporales precarios
No es la primera vez que a Jens le mandan a reponer la estantería de las bebidas en el supermercado de la calle Möllendorf en Berlín. “La verdad es que esto cansa”, dice sonrojándose y encogiendo sus esqueléticos hombros. Jens tiene quince años y está haciendo unas prácticas en una conocida cadena de almacenes. Como él, cada año, los alumnos de su edad en Alemania tienen que escoger una empresa, mandar su currículo y realizar un periodo de prácticas.
La idea es que tengan un contacto con la realidad más allá de los libros. Durante las tres semanas de prácticas que ya van a terminar podía vérsele ir y venir con cajas recorriendo una y otra vez las hileras de la tienda. ¿Su tarea? “Reponer donde haya huecos”. A él le parece bien hacer prácticas “para saber lo que es trabajar y si este es el trabajo que te gusta de verdad”.
Sin embargo, una vez que acaban la etapa escolar, el comienzo de una formación profesional no supone para algunos mayor diferencia. En un reportaje de la radiotelevisión bávara una joven explicaba que acababa de terminar una formación profesional de minorista y que no había aprendido nada más que en las clases teóricas. Aparte de sentarse en la caja y limpiar, no hizo otra cosa durante los tres años que le llevó sacar el título.
Según un estudio de la confederación alemana de sindicatos, el Deutsche Gewerkschaftsbund (DGB), publicado en 2010, uno de cada diez jóvenes era forzado durante su periodo de formación profesional a realizar tareas que no tenían relación alguna con lo que estaban aprendiendo. Sobre todo en profesiones ligadas a la gastronomía, asegura dicho estudio, hasta un 40% de los jóvenes que se encontraban en una formación profesional se veían obligados a realizar horas extra no remuneradas.
Por unos 500 euros al mes trabajan los jóvenes en la empresa y en paralelo reciben la teoría. Para muchos resulta imposible vivir con dicho salario, por lo que se ven obligados a tener un segundo e incluso un tercer trabajo para vivir. De ese modo, pueden llegar a superar las 60 horas semanales de trabajo, entre práctica y teoría, en confrontación con las leyes laborales y de educación.
Hay suficientes ejemplos en la prensa alemana de malas prácticas en empresas que se aprovechan del miedo de los jóvenes en periodo de formación. Jornadas de 12, 17 horas de trabajo con pocas pausas y en ocasiones sin comer ni beber cuentan los casos más dramáticos. Los jóvenes tratan de aguantar el chaparrón porque sin un título creen que les será más complicado encontrar un empleo. Después de completar la formación profesional, sin embargo, nade les garantiza que encuentren un trabajo.
Es lo que le pasó a Marten. El joven berlinés de 25 años estuvo dos estudiando una FP dual en la industria alimentaria. Hoy está en paro. Sus trabajos hasta la fecha han sido todos en empresas de trabajo temporal. Durante un año y medio estuvo haciendo prácticas por 500 euros al mes. “Me di cuenta de que era mentira que me quisieran contratar al final”, asegura. “La excusa que ponen es que hay momentos en que han de bajar la producción y si tienen empleados fijos les es complicado despedirlos”. De media asegura haber ganado unos cuatro euros menos por hora que los trabajadores contratados directamente por la empresa.
Según la teoría oficial, este modelo conecta de forma mas exitosa la formación con la integración en el mundo laboral. Es por ello que el gobierno de Merkel ha ofrecido a varios miles de jóvenes españoles venir a Alemania a realizar una formación profesional dual. Unas 33.000 plazas asegura Merkel a sus colegas europeos, se quedaron sin estudiante el año pasado. Lo que no cuenta es que hasta dos millones de jóvenes alemanes carecen de formación alguna. El ministro de economía y vicecanciller alemán Philipp Rösler, obviando a todos esos jóvenes alemanes sin título, escenificaba una pantomima el pasado domingo al exhortar en el semanario alemán Welt am Sonntag “¡Vengan a Alemania!”
Berlín celebró el miércoles la cumbre europea contra el desempleo juvenil llevando por bandera su mercado laboral, el conocido como “modelo alemán”. La Unión Europea se ha puesto por meta el que los jóvenes desempleados que no estudian vuelvan al mercado laboral en cuatro meses, ya sea a través de prácticas, ya a través de formación profesional. Para ello, han anunciado que se destinarán unos 6.000 millones de euros. Andrea Nahles, la secretaria general del partido socialdemócrata alemán, el SPD, ha instado a la Unión Europea a que haga algo más allá de lo propuesto por Merkel: Las medidas que se van a tomar “no son más que un chiste en comparación con el gigantesco problema del desempleo juvenil”.
“Yo lo que creo es que quieren que vengan jóvenes a Alemania porque la población está envejecida”, comenta un alemán cualquiera, a cualquier hora, en cualquier lugar.
————————————————————————————-
Prouni rende isenção fiscal de R$ 4 bi a faculdades privadas
————————————————————————————-
04/08/2013 – 02h00
 
FLÁVIA FOREQUE DE BRASÍLIA
Desde a criação do Prouni, em 2005, instituições privadas de ensino superior deixaram de pagar R$ 3,97 bilhões em tributos federais.
Ao aderir ao programa, que concede bolsas integrais e parciais (50% da mensalidade) a alunos de baixa renda, as faculdades recebem isenção sobre quatro impostos e contribuições federais: Imposto de Renda, PIS, Cofins e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido).
Análise: abrangência do Prouni ainda é pequena
“O programa é vantajoso para todos: governo, instituições e sociedade”, afirma Solón Caldas, diretor-executivo da ABMES (Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior).
Neste semestre, 919 instituições privadas ofertaram bolsas do Prouni -o que representa cerca de 45% do total de particulares no país.
Os valores da isenção fiscal cresceram até 2010, quando o montante chegou ao auge: naquele ano, a renúncia foi de R$ 676,4 milhões, em valores atualizados.
No ano seguinte, após críticas do TCU (Tribunal de Contas da União), o Ministério da Educação mudou as regras para o cálculo do benefício. A partir de então, a isenção ficou vinculada ao preenchimento das vagas do programa e não à quantidade ofertada pelas instituições.
A mudança foi para evitar que a União pagasse por vagas não preenchidas.
“Há um jogo de ganha-ganha: são vagas que no fundo estavam ociosas. As escolas ampliam o uso [da sua infraestrutura] e um conjunto muito grande de pessoas têm acesso ao ensino superior”, diz Amaury Gremaud, professor da Faculdade de Economia da USP Ribeirão Preto.
PERDIDO
Até o primeiro semestre deste ano, mais de 1,2 milhão de estudantes foram atendidos por meio do Prouni.
“Sem o programa eu estava perdido ou teria que voltar pra roça e ficar na enxada”, afirma Absalon Pereira Alves, 52, bolsista integral do curso de direito na Universidade Católica de Brasília.
Alves fugiu de casa adolescente. Chegou a morar nas ruas de São Paulo e sobreviveu fazendo bicos. Concluiu os estudos pelo EJA (Educação de Jovens e Adultos ) e fez o Enem três vezes até ter a pontuação mínima para disputar uma vaga. No 9º semestre de direito, quer fazer concurso para defensor público.
Primeiro da família a ingressar no ensino superior, Cristiano Dantas de Almeida, 39, diz que os estudos vão contribuir para uma melhora nas finanças. “A carreira médica é promissora no país”, pondera ele, estudante do 5º semestre do curso.
————————————————————————————
Concurso para garis atrai 22 mestres e 45 doutores no Rio
————————————————————————————
22/10/2009 – 10h06 – da Folha de S.Paulo, no Rio
Com inscrições abertas desde o dia 7, o concurso público para a seleção de 1.400 garis para a cidade do Rio já atraiu 45 candidatos com doutorado, 22 com mestrado, 1.026 com nível superior completo e 3.180 com superior incompleto, segundo a Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana).
Para participar do concurso, basta ter concluído a quarta série do ensino fundamental. As inscrições terminam amanhã.
Somados, os candidatos que já passaram pelos bancos de universidades representam quase 4% dos 109.193 inscritos até anteontem. Os anos de estudo a mais, porém, não devem colocá-los em vantagem na disputa –a seleção é feita por meio de testes físicos, como barra, flexão abdominal e corrida.
Aqueles que forem contratados trabalharão 44 horas por semana e receberão salário de R$ 486,10 mensais, tíquete alimentação de R$ 237,90, vale-transporte e plano de saúde. A remuneração poderá ser acrescida ainda de um adicional por insalubridade.
Aluno do segundo período de história da Estácio de Sá, no Rio, Luiz Carlos da Silva, 23, disse ter ouvido muitos comentários preconceituosos dos colegas quando contou que disputaria uma vaga de gari.
“Disseram que eu era maluco, que eu ia ficar fedendo a lixo… Mas a faculdade hoje não garante emprego nem estabilidade para ninguém. Eu quero segurança”, diz ele, que, no entanto, planeja continuar estudando para no futuro trocar o trabalho de gari pelo de professor de escola pública.
“Meu sonho é dar aula, é o que eu gosto de fazer”, afirma o estudante de história.
Já Ronaldo Carlos da Silva, 42, ex-aluno do curso de letras da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), vê no concurso de gari a chance de reorganizar a vida, após um ano de desemprego.
Se for bem-sucedido, pretende voltar à sala de aula, que teve de abandonar quando ainda estava no terceiro período do curso -sem trabalho fixo, tinha dificuldades até para pagar o transporte para ir à universidade. Insatisfeito com a faculdade de letras, porém, quer cursar direito. “Vou fazer um curso preparatório”, planeja.
Também desempregada, Thaiane do Prado Gomes, 21, estranhou ao ouvir que iria disputar vagas com pessoas com curso superior e até mestrado e doutorado. “Isto aqui é para quem não tem escolaridade. Para os outros tem mais oportunidade. Eu mesma, que completei o segundo grau, fiquei na dúvida se devia me inscrever.”
————————————————-
Evasão em mestrado chega a 70%
————————————————-
Baixo valor de bolsa e exigências de trabalho levam aluno a desistir de programa de pós
DHIEGO MAIA – DE SÃO PAULO
A pressão do mercado de trabalho e o baixo valor das bolsas para pesquisa fazem com que os índices de evasão em programas de mestrado sejam consideráveis. Isso acontece mesmo nas dez universidades mais bem colocadas no ranking de pesquisa científica do RUF (Ranking Universitário Folha).
Os cursos da pós-graduação mais afetados pela evasão são os de engenharia, tecnologia e ciências médicas.
O levantamento mostra universidades com índices acima de 10% como USP (Universidade de São Paulo) e Ufscar (Universidade Federal de São Carlos).
A maior taxa de evasão foi registrada no programa de matemática aplicada e computacional da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), com 70%.
Na avaliação de pró-reitores de graduação, o baixo valor das bolsas concedidas aos estudantes explica em grande parte os índices de abandono. O valor é de R$ 1.500 para cursos de mestrado e R$ 2.200 no doutorado.
Na Unicamp, a falta delas foi a responsável pelo alto índice de evasão, diz a pró-reitora Ítala D’Ottaviano. Ela diz que a instituição disponibilizou “bolsas emergenciais para reter os alunos”.
É considerado evasão quando o aluno abandona ou pede desligamento do curso. O aluno também pode ser forçado a deixar a pesquisa por não atender aos critérios de ensino, por exemplo.
Para especialistas, as oportunidades no mercado de trabalho também são fortes causas de evasão.
“O mestrando é mais jovem e mais sujeito a ficar balançado com as propostas de trabalho. Quem faz um doutorado tem maturidade suficiente para não desistir por qualquer coisa”, diz Vladimir Pinheiro, pró-reitor da pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
A bancária Ângela Pereira, 37, tentou concluir um mestrado profissional em matemática pela Unesp (Universidade Estadual Paulista).
As aulas ocorriam às sextas-feiras. Para estar presente, ela viajava 200 km de Guarulhos, onde mora, até Rio Claro, no interior de São Paulo. “No começo fui conciliando o mestrado com as folgas acumuladas que eu tinha no banco. Quando elas acabaram, não tive mais como deixar o trabalho.”
Pereira conta que o seu mestrado era modular. Quando ela perdia um dia de aula, era difícil acompanhar o ritmo da turma na semana seguinte. “Virou uma bola de neve”.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s